Olá professor (a),


Iniciamos mais um ano letivo na Escola Dominical e com ele velhos problemas.
As Igrejas estão engessadas por currículos que não se diferem entre si, independente de qual editora pertençam, todos são quase idênticos. Nesses currículos para crianças há uma dependência de um método particular, a utilização de visuais. Os currículos nacionais não usam uma variedade de diferentes recursos e atividades dentro de seus programas.

O currículo desta editora norte-americana Group Publishing's Hands-On Bible (clique no link) é conhecido por usar muitas atividades práticas de aprendizado para ajudar as crianças a entenderem conceitos e serem transformadas pela Palavra de Deus.

Embora a informação (fatos e conceitos) possa ser transmitida de modo eficiente do professor para o aluno através da instrução direta utilizando-se os visuais, o conhecimento é melhor criado através da manipulação mental e física da informação usando uma variedade de diferentes recursos e atividades. Vários métodos em conjunto são usados para cumprir o objetivo final da formação espiritual como apresentações dramáticas da Bíblia ou mesmo um contador de histórias expressivo ajudam a retransmitir o elemento humano da Palavra de Deus e trazer o público para os pensamentos e sentimentos das pessoas envolvidas. Além de uma apresentação dramática, o uso de adereços e figurinos, também pode dão insights sobre o contexto histórico, costumes da época, e definições bíblicas.

O drama pode ser um poderoso meio para as crianças porque lhes permite uma reencenação da ação visual e ao vivo da história da Bíblia que está sendo ensinada. Tomemos, por exemplo, uma lição que é uma reconstituição de Pedro andando sobre as águas (Mt 14: 28-32). A voz reconfortante e poderosa de Jesus é ouvida quando diz aos discípulos: "Coragem! Sou eu. Não tenha medo" (Mt 14:27).

Ouvir Jesus falar aquelas palavras enquanto estava no meio do mar deve ter sido uma experiência auditiva espantosa. As crianças que ouvem a Palavra de Deus falada de forma audível são mais capazes de se identificar com a história. As crianças que ouvem as palavras ditas por Jesus podem ter uma experiência espiritual poderosa e transformadora. Quando um ator retrata o olhar de Pedro de medo e pernas tremendo quando Jesus o chama para fora do barco, a passagem assume um novo significado para uma criança quanto à incrível quantidade de medo e pânico que Pedro deve ter sentido. O drama permite ao aluno uma visão expandida e experiência que não pode ser adquirida em outros lugares.

Como pensadores concretos, as crianças muitas vezes têm dificuldade em entender coisas que não podem ver. Poderosos dramas, histórias, shows de marionetes e recriações fornecem uma ferramenta valiosa para o ensino da Bíblia. Usar o drama dentro de um formato de aula ajuda a criança a pensar em outros insights adicionais dentro do contexto da história da Bíblia que eles poderiam, de outra forma, perder.


Outros recursos que podem ser inseridos em um plano de aula são os jogos, oficina de culinária, etc. Em inglês existe uma obra chamada "Unforgettable Edible Bible Crafts" contendo projetos de culinária aonde as crianças poderão fazer e decorar lanches relacionados com histórias bíblicas ou conceito de fé que podem ser incorporados em qualquer currículo ou plano de aula. Abaixo podemos citar outras obras:

FoodFun Devotions for Children's Ministry

Incredible Edible Bible Fun: Making God's Word Memorable With Easy Recipes Children Can Do

More than Cookies & Punch: 50+ Bible Story Snacks and Lessons



Há ainda outras diversas obras em inglês com experimentos científicos simples e divertidos que podem ser usados como recursos em um currículo de Escola Dominical! Já sugerimos aqui no portal até a inserção de lapbooks em um currículo!

O ambiente divertido ajuda as crianças a se sentirem bem-vindas e os ajuda a se sentirem motivadas a aprender. O divertimento atrai as crianças, e não tem que comprometer a Bíblia ou o aprendizado que deve acontecer.

As editoras nacionais alardeiam o lançamentos de "novos currículos" mas, sempre são "remendos novos em odres velhos". Sempre estão com a mesma configuração baseada única e exclusivamente em visuais. Mudanças inovadoras como "gameficação" das lições são anunciadas mas, lá estão os bons e velhos visuais como "carros-chefes" da inovação.


Acreditamos que uma lição de Escola Dominical possa ser transmitida de modo eficiente do professor para o aluno através da instrução direta utilizando-se os visuais mas é inegável que esse recurso pode alcançar um grau de exaustão tanto para o professor como para o aluno. A polarização enfática em um único recurso de ensino pode transformá-lo em em clichê de ensino, como bem destaca Lawrence O. Richards. Histórias morais, trabalhos manuais, dramas, lapbooks, oficina de culinária, etc, se exaustivamente explorados isoladamente fatalmente transformarão qualquer currículo em clichê de ensino. É uma expressão idiomática que de tão utilizada, se torna previsível. Desgastou-se e perdeu o sentido ou se tornou algo que gera uma reação ruim, algo cansativo em vez de dar o efeito esperado ou simplesmente repetitivo. E é nesse estado que os "novíssimos" currículos são, apenas clichês de educação, "comida requentada", apenas visuais com novo desenhista, nova diagramação.


Precisamos ser realistas, infelizmente as perspectivas de mudança da Escola Dominical em solo pátrio são improváveis porque essas mudanças passam primeiramente pela mudança efetiva dos currículos. Muitas das vezes o professor não tem autonomia nem na sua igreja local para variar os recursos curriculares. Se o professor desejar fazer um rearranjo curricular, diversificando os recursos além dos tradicionais recursos visuais, poderá receber muita oposição e resistência. Para as igrejas que não estão atreladas à editoras confessionais, preparar um currículo próprio é uma tarefa hercúlea.

Além do currículo com muitas atividades práticas de aprendizado, que não se restringe exclusivamente ao emprego de visuais, há também o modelo de EBD Rotacional, nesse modelo as crianças estudam histórias e conceitos bíblicos através de diversas experiências com a Palavra de Deus. As crianças estudam uma história ou conceito bíblico girando para uma oficina diferente a cada semana, em oficinas que poderão ser de jogos, oficina de culinária, drama, trabalhos manuais, etc. O currículo com muitas atividades pode ser utilizado no modelo rotacional ou no modelo tradicional; já um currículo só com recursos visuais só tem serventia para uma EBD no modelo tradicional. Nos Estados Unidos há diversos currículos para o modelo rotacional:

Spark
Deepblue
Cokesbury
DavidCook


Nesses últimos anos trabalhamos para apoiá-lo dentro dos ditames curriculares nacionais incrementados apenas com recursos visuais e trabalhos manuais. Por incrível que pareça, uma das grandes editoras confessionais só começou a trazer insipidamente trabalhos manuais no seu último currículo. Apesar de disso, procuramos fazê-lo com excelência, dando aos visuais e trabalhos manuais textura contemporânea mas, parece-nos que esse modelo chegou a exaustão.

Coragem para mudar

"Pois, sendo livre de todos, fiz-me escravo de todos para ganhar o maior número possível: Fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse eu debaixo da lei (embora debaixo da lei não esteja), para ganhar os que estão debaixo da lei; para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei. Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. Ora, tudo faço por causa do evangelho, para dele tornar-me co-participante". (1Co 9:19-23).

Escrevendo sob a inspiração do Espírito Santo, Paulo articula este princípio: Ele estava disposto a adotar uma abordagem diferente para pessoas diferentes para trazer o maior número possível a Jesus como Senhor e Salvador.

Neste ano de 2017 nós do www.escoladominical.net convidamos você a sair da inércia dos recursos visuais e adote uma abordagem diferente, expanda suas aulas para além dos currículos, usando uma mistura de métodos inovadores e criativos com o objetivo que as crianças descubram e aprendam quem é Deus, tomam a decisão pessoal de aceitá-lo como seu Senhor e Salvador e continuam crescendo e caminhando pelo Espírito Santo.


› Veja Mais: Coragem para mudar!